Você conhece a Síndrome de Pica? Então prepare o seu estômago!

Pessoas comendo coisas estranhas

A alotriofagia, também conhecida como Síndrome de Pica, é uma rara condição dos seres humanos, e se caracteriza por um apetite por substâncias não nutritivas, como terra, carvão ou tecidos.

Para ser considerado um caso de alotriofagia, essa condição deve persistir por mais de um mês, em uma idade em que comer certos objetos seja considerado mentalmente inapropriado. Existem diferentes cariações da alotriofagia, que podem ser desde uma mera tradição cultural, um gosto particular ou um mecanismo neurológico que indica a deficiência de elementos, como ferro, ou algum outro desequilíbrio no organismo.

O termo “pica” vem da palavra em latim para o pássaro pega-rabuda (também conhecido como pica pica). Esse é um pássaro conhecido por comer praticamente tudo. No sul dos Estados Unidos, nos anos 1800, a geofagia era uma prática comum entre a população escrava. Pesquisas sobre distúrbios alimentares no século XVI sugeriam que a alotriofagia era considerada um sintoma de outra condição clínica, ao invés de ser a própria condição clínica.

Essa condição pode facilmente levar crianças à intoxicação, que pode resultar em importantes prejuízos no desenvolvimento físico e mental. Além disso, essa situação pode resultar em cirurgias emergenciais, devido à obstrução intestinal, além de sintomas mais sutis como deficiências nutricionais e casos de parasitoses. A alotriofagia tem sido constantemente associada a problemas mental que muitas vezes tenham consequências psicóticas. Desencadeadores de estresse, como a orfandade, severos problemas familiares, negligência dos pais, gravidez ligada à insuficiência de nutrientes e uma estrutura familiar transtornada estão fortemente ligados alotriofagia.

A alotriofagia possui subdivisões para cada tipo de material consumido pelo indivíduo, as condições mais conhecidas são:

Amilofagia: consumo excessivo de amido;

Acufagia: consumo de objetos pontiagudos;

Coprofagia: consumo de fezes;

Emetofagia: consumo de vômito;

Geofagia: consumo de terra;

Hematofagia: consumo de sangue;

Hialofagia: consumo de vidro;

Lithofagia – comer pedras;

Trichofagia – comer cabelo;

Urofagia – ingerir urina;

Xilofagia – comer madeira.

Algumas outras situações famosas estão as de ingerir tinta, e até o canibalismo. Deve-se notar, que a condição só deve ser tratada como alotriofagia, se o consumo desses materiais se prolongar por mais de um mês. Entretanto, não há um exame específico que possa diagnosticar a alotriofagia. Como essa condição, em muitas vezes dos casos, pode ser associada à má ou baixa nutrição, o médico, ou outro prestador do serviço de saúde, deve fazer exames de sangue, para conferir os níveis de ferro e zinco do paciente. Deve-se, também, realizar medições da hemoglobina, para testes de anemia. Por precaução, as crianças precisam checar os níveis de chumbo, principalmente se ingeriram tinta, ou materiais cobertos por tinta. O médico também deve procurar indícios de infecções ou parasitas, caso o paciente tenha ingerido solo contaminado, ou restos de animais. Em indivíduos com diagnósticos confirmados de autismo, esquizofrenia, e alguns tipos de desordens físicas, como a Síndrome de Kleine-Levin, substâncias estranhas e não nutritivas podem ser consumidas, mas nesses casos, a alotriofagia não deve ser considerada como um diagnóstico adicional.

O tratamento da alotriofagia pode variar de paciente para paciente, principalmente por que deve-se levar em contra a causa suspeita, como deficientes mentais, grávidas ou psicóticos, e pode ser relacionado a tratamentos psicológicos, mudanças ambientais, reestruturação familiar, ou um simples tratamento com suplementos vitamínicos e mudanças na dieta. Se a causa for psicótica, o tratamento envolverá terapias e o uso de medicamentos como o SSRI (inibidor seletivo de recaptação de serotonina).

Que tal conhecer um pouco sobre Hipnose e Hipnoterapia agora? É só clicar aqui!

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Clique aqui para assistir a um vídeo onde o prof. Sergio Enrique tira dúvidas sobre Hipnose e Hipnoterapia.

Fonte: https://www.infoescola.com/doencas/alotriofagia/

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat