ASMR: Porque algumas pessoas sentem tanto prazer com alguns sons e ruídos

Sons prazerosos

O ASMR é um fenômeno psicofisiológico que produz sensações agradáveis ​​de relaxamento e calma nas pessoas que o experimentam.

Algumas pessoas, diante de determinadas ações, acompanhadas por sons específicos e uma certa repetitividade, ficam quase imóveis – quase em transe. Trata-se do fenômeno ASMR.

Estas pessoas podem experimentar era uma sensação agradável de formigamento e prazer hoje chamada por ASMR (Autonomous Sensory Meridian Response), resposta sensorial autônoma do meridiano ou orgasmo cerebral. Vamos nos aprofundar.

O grande interesse pela ASMR

O ASMR vem despertando um grande número de pesquisas e um interesse público imprevisível. Há cada vez mais pessoas à procura de informações sobre o ASMR, apesar de não conhecerem suas bases causais. E não há nada como encontrar outros com quem compartilhar algo em comum, seja uma característica, atividade ou simplesmente um certo interesse em determinado assunto.

Como exemplo deste crescente interesse temos o grande número de vídeos no YouTube sobre ASMR, hashtags, posts de blogs, artigos, podcasts, notícias e, inclusive, pesquisas acadêmicas. Como vemos, o que conhecemos vulgarmente como orgasmo cerebral é uma realidade indiscutível com o mesmo potencial para o prazer do que para o tratamento da ansiedade, o mal do nosso século.

Assim, de acordo com as pesquisas, o ASMR é uma propriedade intrínseca do cérebro de muitas pessoas – não de todas – que encontram nela uma maneira fácil e até mesmo terapêutica de relaxar e experimentar sensações corporais prazerosas.

“O ASMR é semelhante ao relaxamento profundo que uma pessoa pode experimentar ao receber uma massagem”. Prof. Craig Richard, Universidade de Shenandoha (Virgínia)-

ASMR: origem e significado

ASMR é a sigla em inglês utilizada para designar a resposta sensorial autônoma do meridiano (Autonomous Sensory Meridian Response, em seu nome original).

Essa resposta é despertada, sobretudo, por estímulos visuais ou auditivos muito específicos. Inclusive, a recepção intencional de atenção proporcionada por outra pessoa também pode funcionar como um gatilho, embora de forma menos comum.

Por outro lado, analisando cada um dos componentes da sigla, chegamos aos fatores básicos que definem esse fenômeno:

Autônoma. Espontânea, de livre atuação, com ou sem controle de nossa parte.

Sensorial. Fenômeno relativo aos sentidos, ao que se percebe sensorialmente.

Meridiana. Refere-se a um clímax no ponto de alcance máximo.

Resposta. Refere-se a uma experiência desencadeada por um agente interno ou externo.

Formigamento e relaxamento inevitáveis ​​sem esforço

Comecemos por distinguir o prazer sexual deste tipo de prazer, descrito por muitos como “um formigamento que se origina no pescoço e desce pelo corpo, ou como uma onda de coceira que emerge e descende pulsátil, cada vez que um desencadeante desperta seu efeito”.

Assim, em um artigo publicado na prestigiada revista The New Yorker, encontramos uma definição ainda mais descritiva: “[A ASMR] surge a partir do som tranquilizador de um sussurro ou do roçar suave de uma roupa; é então que uma sensação de formigamento surge no couro cabeludo e se estende pelo pescoço, pelos ombros e pelos braços, acompanhada por um profundo estado de calma, ou mesmo de euforia”.

Ambos os prazeres (o sexual e o derivado da ASMR) são diferentes, tanto em sua natureza (estruturas e processos fisiológicos envolvidos), resultado final (a ASMR não culmina em um orgasmo real), quanto em seu propósito (através da ASMR não se busca a satisfação de um impulso sexual). Na verdade, comprovou-se que a ativação sexual e a ativação por ASMR são, em geral, mutuamente exclusivas.

Alguns exemplos de ASMR

Para aqueles que nunca experimentaram o ASMR, é difícil entender do que se trata. Por isso, listamos alguns exemplos abaixo.

A partir de uma perspectiva perceptivo-sensorial, algumas pessoas descrevem a sensação resultante como algo semelhante a uma “leve corrente elétrica” agradável e relaxante ou então uma experiência “similar à encontrada nas bolhas de uma taça de champanhe”. É claro que, uma vez despertado o efeito da ASMR, ninguém desejaria sair desse estado suave de dormência.

Por outro lado, alguns exemplos de fatores suscetíveis a ativar essa resposta são os seguintes:

Ouvir sussurros ou uma voz que fala suavemente.

Ouvir sons leves e repetitivos resultantes da realização de tarefas comuns da vida cotidiana, como virar as páginas de um livro.

Observar atentamente alguém realizar uma tarefa mundana.

Receber atenção personalizada e carinhosa.

Presenciar um mastigar sonoro, observar alguém comendo ou bebendo, sempre ruidosamente.

Ouvir sons de batidas e, em particular, de unhas batendo contra superfícies como plástico, madeira e metal.

Melhor do que apenas ler sobre ASMR é ouvir! Então para experimentar o ASMR deixei um link do youtube no final deste artigo, ok!

Aplicações clínicas da ASMR

O uso da técnica de indução de ASMR não é reconhecido por nenhum órgão oficial como uma medida terapêutica válida; portanto, não pode ser recomendado como um substituto para qualquer abordagem terapêutica.

No entanto, cada vez mais pessoas utilizam abordagens baseadas em ASMR para tratar problemas específicos relacionados com o espectro ansioso (ansiedade generalizada, ataques de pânico, dificuldade de concentração, pensamento ruminante ou dificuldade para dormir, etc.).

Assim, o efeito terapêutico da ASMR se assemelharia, em forma e ação, àquele obtido a partir de técnicas como a meditação, a ioga ou o mindfulness. De fato, assim como acontece com as práticas mencionadas anteriormente, o mundo acadêmico já confirmou os benefícios do ASMR em termos de saúde física e mental.

De acordo com os resultados científicos, são vários os parâmetros determinantes de um estado psicofisiológico de relaxamento e bem-estar que são impactados positivamente graças ao trabalho com ASMR. Como exemplos: pressão arterial, liberação de endorfina ou frequência cardíaca.

Possíveis explicações

Existem poucos dados objetivos e replicáveis ​​que atestam a origem e os mecanismos operantes deste fenômeno. Sim, verificou-se uma relação estatística entre pessoas sensíveis à ASMR e a probabilidade de misofonia (o desconforto diante de determinados ruídos, especialmente os provocados por pessoas). Portanto, acredita-se que possa existir uma base genética para o ASMR.

Em estudos utilizando imagem por ressonância magnética funcional (fMRI), foi observado que nos indivíduos que afirmavam experimentar as “cócegas” do ASMR as áreas cerebrais associadas às condutas sociais de autogrooming ou de abordagem interpessoal (córtex medial pré-frontal) e às sensações de tato (córtex somatossensorial secundário) apresentaram um grau incomum de ativação. Além disso, essa ativação foi muito superior à apresentada em indivíduos-controle ou em momentos de ausência de ASMR.

A verdade é que todos aqueles que têm a sorte de poder desfrutar deste mecanismo tão natural, simples, inato e controlável não tendem a se perguntar em excesso qual é a origem ou a funcionalidade deste fenômeno. O que conta é como você se sente.

Experimente agora o ASMR e nos diga como VOCÊ se sentiu. Clique aqui para acessar o vídeo no youtube. De preferência, utilize fones de ouvido.

Que tal conhecer um pouco sobre Hipnose e Hipnoterapia agora? É só clicar aqui!

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Clique aqui para assistir a um vídeo onde o prof. Sergio Enrique tira dúvidas sobre Hipnose e Hipnoterapia.

Fonte: https://amenteemaravilhosa.com.br/asmr-prazer-e-relaxamento-para-certos-sortudos

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

2 comentários em “ASMR: Porque algumas pessoas sentem tanto prazer com alguns sons e ruídos”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat