Será verdade que usamos apenas 10% de nosso cérebro?

Imagem cérebro 10%

Um dos mitos mais conhecidos sobre o cérebro é o de que utilizamos apenas 10% de sua capacidade. É uma ideia atraente, pois sugere que poderíamos ser muito mais inteligentes, bem sucedidos e criativos se conseguíssemos aproveitar os outros 90% que podemos estar desperdiçando.

Este mito também é explorado na ficção. O filme Lucy não é o primeiro a usar em seu roteiro o mito dos 10%. Muitas são as obras que exploraram o tema para contar suas histórias. Tivemos o Limiteles (“Sem Limite”, 2011), The Machine (“Soldado do Futuro”, 2013) e Transcendence (“A Revolução”, 2014), além de outros.

Infelizmente, isso não é verdade. Não é bem claro a que se referem esses tais 10% de utilização.

Se a afirmação se refere a 10% de regiões cerebrais, é fácil de ser refutada. Usando uma técnica chamada imagem de ressonância magnética funcional, neurocientistas podem identificar as partes to cérebro que são ativadas quando uma pessoa faz ou pensa em algo.

Uma simples ação, como abrir e fechar a mão ou dizer algumas poucas palavras, requer uma atividade de muito mais de uma décima parte do cérebro. Mesmo quando se supõe que a pessoa não está fazendo nada, o cérebro está trabalhando bastante, controlando funções como respiração, atividade cardíaca ou memória.

Nada ocioso

image_brain_asleep
Até durante o sono o cérebro se mantém ativo, como mostra esta imagem

Se os 10% mencionados se referirem ao número de células do cérebro, ainda assim a afirmação não procede.

Quando qualquer célula nervosa deixa de ser utilizada ela se degenera e morre ou é colonizada por outras áreas vizinhas. Não permitimos que as células de nosso cérebro fiquem ociosas. Elas são valiosas demais.

Segundo o neurocientista Sergio Della Sala, o cérebro necessita de muitos recursos. Manter o tecido cerebral consome 20% de todo o oxigênio que respiramos.

Como pode então uma ideia sem fundamento biológico ou fisiológico ter conseguido se espalhar desse jeito?

É difícil rastrear a fonte original do mito.

O psicólogo e filósofo norte-americano William James escreveu no livro As energias do homem que “utilizamos somente uma pequena parte de nossos possíveis recursos mentais e físicos”.

Ele pensava que as pessoas podiam progredir mais, porém não se referia ao volume do cérebro nem à quantidade de células, tampouco a uma porcentagem específica.

A referência aos 10% é feita em um prólogo da edição de 1936 do popular livro de Dale Carnegie Como ganhar amigos e influenciar pessoas. Algumas pessoas dizem que Albert Einstein foi a fonte da afirmação.

Della Sala tem tentado encontrar essa citação, mas ninguém que trabalha no arquivo Albert Einstein pôde sequer confirmar que tenha existido. Parece mais um outro mito.

Zona duvidosa

Existem dois fenômenos que talvez possam explicar o mal-entendido.

Nove de cada dez células do cérebro são do tipo neuróglias ou células gliais, que são células de apoio, que provêm assistência física e nutricional. Os outros 10% das células são os neurônios, que se encarregam de “pensar”.

Assim, talvez as pessoas tenham interpretado que os 10% das células que se ocupam do trabalho duro de pensar poderiam aproveitar também as neuróglias para aumentar a capacidade cerebral pensante. Só que essas células são totalmente distintas e não podem simplesmente se transformar em neurônios para nos dar mais potência mental.

Existem os 10% que pensam, e os 90% que ajudam a pensar.

Há no entanto, um grupo de pacientes, cujas imagens do cérebro revelaram algo extraordinário.

Em 1980, um pediatra britânico chamado John Lorber mencionou na revistaScience que alguns dos pacientes com hidrocefalia, que tinham muito pouco tecido cerebral, ainda assim tinham um cérebro que podia funcionar.

O caso, sem dúvida, demonstra que todos nós podemos usar nossos cérebros para fazer mais coisas do que sabemos, já que é sabido que as pessoas se adaptam a circunstâncias extraordinárias.

É certo, claro, que se nos propusermos, podemos aprender coisas novas. E cada vez há mais evidência que mostra que nosso cérebro muda. Porém, não é que estejamos explorando uma nova área do cérebro. Acredita-se que quando novas conexões entre as células nervosas são feitas, perdemos velhas conexões quando já não as necessitamos.

O que mais intriga neste mito é que ele pode ter nascido e se cristalizado com base em informação que não é correta.

De onde teria vindo esta mito então?

A crença de que usamos somente 10% da nossa capacidade cerebral tem várias origens e de diferentes épocas, mas acredita-se que o trabalho do fisiologista francês Jean Pierre Flourens tenha sido um dos pioneiros. Em 1825, ele foi o primeiro a trabalhar no diagnóstico de áreas com lesões no cérebro através da flouresencia. Em experimentos com animais, Flourens tentou mapear áreas dos cérebro responsáveis por determinadas funções. Como na época o fisiologista não conseguiu descobrir a função de muitas partes do órgão, determinou que havia muito “córtex silencioso” dentro do cérebro.

Anos mais tarde, na década de 1890, a dupla de psicólogos William James e Boris Sidis publicou uma pesquisa onde eles afirmavam terem conseguido elevar ainda mais o QI do filho de Sidis Willian (que já demonstrava uma inteligência muito acima da média), apenas submetendo a criança a um ambiente de desenvolvimento acelerado. A ideia era a de que seria possível ativar os 90% das células que estariam ociosas na cabeça das pessoas e torna-las, assim, mais inteligentes. Nascia a Teoria da Reserva de Energia, afirmando que o ser humano conseguia utilizar apenas uma fração de todo o seu potencial!

É sabido que o cérebro funciona mais ou menos como um músculo que ao ser exercitado passa a desempenhar melhor aquela função. Mas isso não significa que o órgão possua locais inativos e à espera de serem “ligados”. Há um verbete a respeito no Wikipédia refutando (através de links de publicações científicas comprovadas) esse mito e provando que o cérebro funciona sempre em sua totalidade.

De acordo com os folcloristas do Snopes,especializado em desvendar hoaxes e mitos, essa informação equivocada surgiu em um anúncio de revista, no ano de 1998, que dizia: “Você usa apenas 11% do seu potencial”. Porém, quando a emissora norte-americana ABC resolveu usar a frase em propagandas para a série “The secret lives of men” , ela foi alterada para “Homens usam apenas 10% do cérebro”.

Talvez falar em 10% seja uma forma atrativa porque oferece um potencial enorme para se melhorar.

Todos queremos ser melhores. E podemos, se nos cuidarmos. Porém nunca vai acontecer de encontramos uma porção de nosso cérebro em desuso.

Gostou deste artigo? Que tal conhecer um pouco sobre Hipnose e Hipnoterapia agora? É só clicar aqui!

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no facebook clicando aqui.

Clique aqui para assistir a um vídeo onde o prof. Sergio Enrique tira dúvidas sobre Hipnose e Hipnoterapia.

Fontes: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2013/06/130603_uso_cerebro_gm

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat