Neurobiologia da intuição: a origem dos palpites

Mulher escolhendo por intuição

A neurobiologia da intuição e a ciência que a estuda indicam que seu uso é mais importante do que nunca. Em um mundo às vezes caótico e complexo, saber ouvir essa voz interior pode nos ajudar a tomar melhores decisões.

A neurobiologia da intuição existe e nos revela algo muito interessante: muitas das nossas decisões são baseadas em palpites.

Afinal, a intuição nada mais é do que aquela voz interna que está em contato com a nossa identidade e com a essência de tudo que vivemos, sentimos e experimentamos. Assim, ao darmos espaço ao nosso lado intuitivo, tiramos proveito de uma ferramenta de grande valor.

Vamos admitir: a intuição muitas vezes nos leva a reinos invisíveis, para nos conectarmos com um lado nosso que opera nos recantos mais profundos do subconsciente.

Às vezes, é tão estranha para nós que é comum pensarmos que essa dimensão tem pouco de científica, que, por não ter lógica, entra no reino do místico. No entanto, assumir isso é um erro.

A intuição é o nosso sexto sentido e, como tal, esta dimensão tem extensa literatura científica. Temos livros tão interessantes quanto Educar a intuição de Robin M. Hogarth ou Inteligência Intuitiva de Malcolm Gladwell.

Nesses trabalhos, assim como em muitos outros que coletam dados contrastados, lembramos a importância desse tipo de recurso que nos ajuda a complementar o pensamento analítico.

O pesquisador médico Jonas Salk, conhecido em sua época pelo desenvolvimento da vacina contra a poliomielite, escreveu um artigo interessante em 1983 intitulado Fusão da Intuição e da Razão, no qual falou da necessidade de ter presente o nosso sexto sentido no dia a dia.

Todos nós precisamos dessa voz interna para nos ajudar a tomar melhores decisões.

“A única coisa realmente valiosa é a intuição.” -Albert Einstein-

Neurobiologia da intuição

O que a neurobiologia da intuição nos diz?

Primeiro, a neurobiologia da intuição nos diz que esses processos mentais não vêm da imaginação humana. Eles realmente têm um correlato neurológico.

Foi o Dr. Keiji Tanaka, do Instituto de Ciências do Cérebro RIKEN, que realizou um estudo interessante para tentar dar respostas sobre como o sexto sentido é articulado a nível cerebral.

Para isso, ele usou como sujeitos experimentais alguns habilidosos jogadores de shogi. Trata-se de um jogo de estratégia muito semelhante ao xadrez, em que as pessoas mais habilidosas recorrem brilhantemente à intuição para realizar movimentos surpreendentes.

O Dr. Tanaka também realizou uma série de ressonâncias magnéticas nesse grupo de pessoas, para ver quais áreas do cérebro eram usadas em maior grau.

O pré-cúneo

Dentro da neurobiologia da intuição, pode-se ver que a área que mais se iluminou foi o pré-cúneo. É uma pequena parte do lobo parietal superior que, por sua vez, está localizado bem no meio de ambos os hemisférios cerebrais.

O pré-cúneo, além disso, está relacionado à memória episódica, processamento visoespacial, e o que é mais interessante, com a nossa consciência.

O córtex pré-frontal ventromedial

Outra área interessante que é ativada quando usamos essas respostas mais intuitivas é o córtex pré-frontal ventromedial. Esta é, sem dúvida, uma estrutura muito relevante.

Ela armazena informações sobre recompensas passadas, bem como o peso dos erros sofridos ou fatos que devemos evitar para não sofrer consequências desagradáveis.

Foi o famoso neurocientista Antonio Damasio que determinou a importância dessa área em nossa tomada de decisão. O mais notável nessa área é que ela nos encoraja a emitir respostas baseadas em emoções.

Para entender melhor, daremos um exemplo. Nós conhecemos alguém em uma festa, alguém que nos convida depois para ir para casa.

O córtex pré-frontal ventromedial pode fazer uma análise rápida baseada em experiências passadas. Talvez a personalidade, a aparência, o modo de falar dessa pessoa nos cause desconfiança, porque nos faz lembrar de outra cujos resultados não foram bons.

Portanto, essa estrutura emitirá uma emoção de alarme para nos dar um toque de atenção. Essa será a maneira pela qual a voz da intuição se tornará presente em nossa mente consciente.

Agora, uma vez que a voz interna é ouvida, temos duas opções. Prestar atenção nela ou, então, passar esse sentimento através do filtro do pensamento mais analítico para fazer uma avaliação mais minuciosa.

O núcleo caudado

Estudos científicos sobre a neurobiologia da intuição também falam sobre o núcleo caudado. Essa estrutura faz parte dos gânglios basais, áreas ligadas a processos de aprendizagem, nossos hábitos e comportamentos mais automáticos.

O núcleo caudado, portanto, facilita esse impulso para o sexto sentido, para nos ajudar a tomar decisões rápidas e quase automáticas baseadas em experiências anteriores ou aprendizados.

“Não deixe que o barulho das opiniões alheias silencie a sua voz interior. E, o que é mais importante, tenha a coragem de fazer o que seu coração e sua intuição dizem. De alguma forma, você já sabe o que realmente quer se tornar.” -Daniel Goleman-

Desta forma, como podemos ver com todos esses dados, há pouco espaço para suspeitar que esses processos respondem à mera imaginação ou ao acaso.

A intuição não tem apenas correlatos neurais; parte de nossa experiência é nutrida pela essência da nossa personalidade e pelo baú do subconsciente onde a essência do nosso ser dorme.

Falar de palpites não é falar de pseudociência, é fazer uso desse mecanismo que definiu o ser humano, independentemente de seu gênero ou de sua cultura. Vamos refletir sobre isso, atendamos sempre a essa voz interna, complementando-a com o pensamento analítico.

Que tal conhecer um pouco sobre Hipnose e Hipnoterapia agora? É só clicar aqui!

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Clique aqui para assistir a um vídeo onde o prof. Sergio Enrique tira dúvidas sobre Hipnose e Hipnoterapia.

Fonte: https://amenteemaravilhosa.com.br/neurobiologia-da-intuicao-origem-palpites/

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat