Estresse e sistema imunológico: como se relacionam?

Ciclo coronavírus

Somente em 1981 ocorreu a formalização da disciplina da psiconeuroimunologia. Graças a Robert Ader e seus experimentos, hoje sabemos até que ponto o estresse e o sistema imunológico estão relacionados.

São muitos os autores que se interessaram pela relação entre estresse e sistema imunológico. Como as situações estressantes afetam as defesas do nosso corpo?

O estresse costuma ser associado a um estado patológico. No entanto, o mesmo alude a uma reação do ser humano diante de situações ameaçadoras ou de demanda excessiva. Assim, podem estar a serviço da sobrevivência do indivíduo e da espécie.

A relação entre estresse e sistema imunológico

As constantes mudanças às quais somos submetidos diariamente podem nos afetar muito. As dificuldades financeiras, exigências profissionais e os acontecimentos negativos da vida podem gerar uma desadaptação inadequada por parte do nosso corpo.

Quando estas reações se prolongam no tempo, ocorre uma sobrecarga no organismo, que pode desencadear problemas de saúde. Isso é conhecido como distress.

Por outro lado, quando um indivíduo gera respostas bem controladas e eficazes que lhe permitem uma boa adaptação, isso é chamado de eustress.

Como o corpo pode responder diante destas demandas? Já mencionamos previamente como ocorre a resposta do estresse. Nela, intervêm diferentes sistemas, em uma relação complexa.

Esta rede é formada pela interação que implica o psiquismo e os sistemas nervoso, endócrino e imunológico, como algo diferente da soma dos mesmos.

Neste sentido, Ader (2003) explica:

“Agora está claro que a função imunológica é influenciada pela atividade autônoma do sistema nervoso e pela liberação de substâncias neuroendócrinas da hipófise. Por outro lado, as citocinas e hormônios liberados pelo sistema imunológico influenciam processos do sistema nervoso e endócrino. Os peptídeos reguladores e os receptores, confinados no cérebro, são expressados tanto pelos sistemas imunológicos quanto pelo sistema nervoso, e permitem a cada sistema supervisionar e modular as atividades do outro”.

O psicanalista e hipnoterapeuta especialista em neurociência clínica, prof. Sergio Enrique dá como exemplo o recente caso de pandemia que o mundo vivenciou. O alto grau de ansiedade e estresse experimentado pelas pessoas pode ter influenciado negativamente seu sistema imunológico e facilitado sua contaminação.

História da psiconeuroimunologia

Foi em 1981 que o cientista Robert Ader apresentou o termo psiconeuroimunologia pela primeira vez. Ele a definiu como a disciplina científica que estuda a interação entre o comportamento, as funções neurais e endócrinas e os processos imunológicos.

Antes desta definição, a concepção clássica do sistema imunológico o considerava como um sistema autorregulado e autônomo de defesa. Nos anos 20, tiveram início as pesquisas na Rússia sobre o condicionamento clássico das respostas imunológicas.

Um pouco mais tarde, nos anos 50, Rasmussen e seus colaboradores formaram a primeira equipe de pesquisa focada no estresse e em doenças infecciosas.

No entanto, somente nos anos 70 John Hadden intuiu a relação entre estresse e sistema imunológico. Especificamente, ele se referiu à associação entre o sistema nervoso simpático e o sistema imunológico.

Os experimentos de Ader

Em 1981, Robert Ader apresentou o primeiro manual e, com ele, o começo da disciplina da psiconeuroimunologia. Seus experimentos com roedores se centraram na aversão gustativa mediante o condicionamento clássico.

Em seus experimentos, realizou uma fase prévia de treinamento, na qual o grupo de controle foi tratado com placebo e o experimental com ciclofosfamida. No primeiro grupo não foi observada nenhuma resposta hormonal, mas o grupo experimental apresentou náuseas e imunossupressão.

Na segunda fase, o cientista administrou sacarina aos dois grupos. Assim, o grupo de controle continuou sem produzir nenhuma resposta anormal, enquanto o grupo experimental apresentou um condicionamento aversivo gustativo e imunossupressão.

Outros autores, como George Solomon, também se introduziram no mundo da psiconeuroimunologia. Especificamente, Solomon estudou a autoimunidade e o bem-estar psicológico. No entanto, diferentemente de Ader, ele não deu prosseguimento aos seus estudos, o que fez com que suas descobertas não se tornassem famosas.

Besedovsky foi outro dos autores que se interessaram pelas relações do sistema imunológico, considerado por ele como um órgão sensorial.

Conceito atual da psiconeuroimunologia

Atualmente, considera-se que a comunicação entre o sistema imunológico e o cérebro é bidirecional. As alterações provocadas no sistema imunológico são um mecanismo explicativo pelo qual os fatores psicossociais influenciam a saúde e a doença.

A nossa espécie está sob constante ameaça de um grande número de agentes patogênicos. Nesse sentido, as tarefas do sistema imunológico são:

  • Reconhecer rapidamente a degeneração celular e prevenir o desenvolvimento do câncer.
  • Garantir a integridade do corpo.

Dessa maneira, diante do estresse, o corpo reage com uma resposta que pode ser adaptativa ou não. Ninguém duvida de que o estresse e o sistema imunológico estejam em contato constante, em uma comunicação da qual depende, em grande medida, a nossa qualidade de vida.

Se você sofre de estresse, pesquise por hipnoterapia. Que tal conhecer um pouco sobre Hipnose e Hipnoterapia agora? É só clicar aqui!

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Clique aqui para assistir a um vídeo onde o prof. Sergio Enrique tira dúvidas sobre Hipnose e Hipnoterapia.

Fonte: https://amenteemaravilhosa.com.br/estresse-e-sistema-imunologico/

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat