Afantasia, a incapacidade de visualizar imagens na mente, atinge cerca de 2,5% da população

Família sem rosto

Ao fechar os olhos, a maioria das pessoas consegue facilmente imaginar o pôr do sol ou revisitar memórias como se fosse um filme passando na cabeça. No entanto, para outras, ações simples como essas são impossíveis. Em artigo publicado recentemente na revista científica “Cortex”, cientistas batizaram de afantasia a condição caracterizada pela incapacidade de visualizar imagens mentalmente. Estudos sugerem que cerca de 2,5% da população mundial sejam afetadas pelo problema, que ainda não teve todas as causas desvendadas.

Segundo pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Exeter, na Inglaterra, responsáveis pelo trabalho, pessoas que sofrem de afantasia nascem com o chamado “olho da mente cego”. Na prática, isso significa que ocorrem falhas em áreas do cérebro responsáveis pela geração de imagens a partir da memória.

A condição impacta a vida de quem convive com ela, já que se torna impossível visualizar memórias afetivas importantes ou lembrar o rosto de parentes mortos.

Em entrevista ao jornal britânico “Daily Mail’’, o pesquisador Adam Zeman, professor de Neurologia Cognitiva e Comportamental da Universidade de Exeter e principal autor do estudo, explicou que o trabalho revelou uma dissociação entre a formação de imagens voluntária, ausente ou muito reduzida nas pessoas com afantasia, e a involuntária, presente nos sonhos, por exemplo, que é preservada.

— A maioria dos nossos participantes conheceu a visualização por meio dos sonhos — afirmou Zeman.

Segundo o neurologista Marcio Balthazar, membro do departamento científico de neurologia cognitiva da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), é improvável que a afantasia afete a memória em si, já que todas as demais informações podem permanecer intactas na mente.

— É possível que a pessoa, mesmo sem evocar voluntariamente, reconheça um rosto em fotografias, por exemplo — diz Balthazar.

Indivíduos com afantasia são aptos a descrever um objeto quando o estão vendo, mas não conseguem visualizá-los mentalmente na ausência dele, esclarece Balthazar, que também é professor do Departamento de Neurologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas. Por isso, os afetados não podem seguir carreiras como Arquitetura e Desenho Industrial, já que não são capazes de imaginar um produto final.

Que tal conhecer um pouco sobre Hipnose e Hipnoterapia agora? É só clicar aqui!

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Clique aqui para assistir a um vídeo onde o prof. Sergio Enrique tira dúvidas sobre Hipnose e Hipnoterapia.

Fonte: https://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/afantasia-incapacidade-de-visualizar-imagens-na-mente-atinge-cerca-de-25-da-populacao-17420892.html

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

20 comentários em “Afantasia, a incapacidade de visualizar imagens na mente, atinge cerca de 2,5% da população”

    1. Olá Tatiane
      Para saber se há pesquisas em andamento e mais trabalhos publicados sobre este tema recomendo que você pesquise no Google acadêmico e em bibliotecas de universidades.
      Abraço!

  1. Uma pessoa com Deficit de Atenção e Afantasia juntos tem a possibilidade de ser hipnotizada já q para ser hipnotizado
    exige ter capacidade imaginativa, disposição mental para focalizar a atenção??

    1. Boa pergunta, Carla.
      Agora você colocou também o deficit de atenção.
      Existem muitas técnicas para induzir pessoas ao transe. Você pode utilizar a voz, imagens, sensações ou um conjunto disso. Claro que quanto mais e pessoa tiver seus canais aptos a receber os diferentes estímulos do hipnólogo, melhor. Nos casos em que a pessoa possui limitações vai depender da habilidade do terapeuta e da predisposição que a pessoa possui em entrar em transe dentro de suas próprias limitações.
      Se pessoas saudáveis apresentam variabilidade na capacidade de entra mais ou menos rápida e profundamente em transe, que sofre de algum distúrbio idem.

  2. Ou seja a hipnose não é baseada nas fantasias imaginarias de uma pessoa existem outras técnica e vai depender muito das habilidades do hipnólogo e da força de vontade do paciente, no é isso?
    Outra curiosidade, pessoas com a Afantasia na hipnose elas só são aptas a receber sugestões no inconciente ou tem a possibilidade de elas verem por exemplo um personagem de desenho animado ao seu lado após ser hipnotizadas?

    1. Carla, eu já tive um paciente com afantasia. Não tive problemas para hipnotizá-lo, mas tive dificuldades para utilizar técnicas baseadas em visualização como tela mental e alguns exercícios de PNL. Isso limitou bastante as opções de tratamento. Esse negócio de ver personagem se chama alucinação visual positiva. É usado em shows mas não em terapias e sinceramente não tenho certeza se ela conseguiria ver… só testando.

  3. Quando era mais novo era capaz de visualizar as coisas em detalhes, mas um dia cai da rede e bati a parte de trás da cabeça, nunca mais consegui visualizar nada.

    1. Cara, comigo foi a mesma coisa, um dia estava subindo uma rampa cheia de lodo, escorreguei e sofri uma pancada muito forte na parte de trás da cabeça. Depois disso nunca mais visualisei rostos ou consegui imaginar as coisas com clareza!

      1. Aconteceu cmg tbm…qdo eu era criança, caí do beliche. Não consigo imaginar coisas, mas sou considerado muito bom em matemática. Será que tem a ver com as quedas? Se alguém sofre disso tbm, posta aí pra gente discutir a respeito.

        1. Ao certo não sei quando começou ou se já nasci, pois de que me lembro nunca consegui formular imagens…. Eu achava normal, até um tempo atrás quando cvs com umas amigas, e elas comentarem sobre a cena que estavam imaginado, e aí eu falei que não consegui imaginar aquilo e elas todas falaram que conseguiam perfeitamente, me sente mal na hora…. Agora resolvi pesquisar sobre, e descobri agora qual o meu problema, no momento estou me sentindo mal, e incapaz.. pós agora descobri que não vou poder cursar arquitetura, afinal não vou conseguir visualizar meu projeto em mente… Sempre me perguntei como as pessoas conseguiam fazer desenhos, agora vi que o problema estava em mim…..

          1. Jhenifer, eu tenho afantasia e fiz artes plasticas. É diferente imaginar as imagens e saber coloca-las no papel, Pois voce nao consegue imaginar uma casa mas sabe os traços basicos dela, sabe que uma porta é retangular ser enconstada no chao. Ou seja, a gente nao imagina tem noção das formas basicas dos objetos e a partir deles podemos sim criar no papel . Achei uma absurso isso sobre a profissao

  4. A gente pode sim imaginar quando colocamos as ideias no papel, nao formamos imagens é na cabeça. Sorte que papel aceita tudo e podemos apagar e refazer

  5. O desespero é nao encontrar cura pra isso.
    Achei um canal do aphantasia meaw. Mas tá em inglês e não tem legenda. Sendo sincero isso é com certeza pra cada deve ter um nível. No meu caso já não tenho sentido de viver. Atrapalha tudo em mim.
    A sensação que tenho que as outras pessoas se conectam com alguma coisa através da imaginação e eu só nessa escuridão.
    Vivo tempos pensando que tá bom e eu devo deixar isso pra lá. Mas desde há uns 10 anos atrás que eu descobri que um amigo meu imaginava se na frente de uma cachoeira e ainda dizia que ouvia o som dela em sua mente.praticamente me tornei um cachorro sem vida atrás de solução pra isso.
    O coisa que não sai. Solidão e vazio.
    Se alguém tiver alguma solução que não seja mero pensamento positivo ou religião sem fundamento por favor me avise. Aliás aja tenho religião. Tenho religião mas sei não. Isso é terrível.

  6. Na verdade afantasia não incapacita a pessoa de exercer atividades artistas ou criativas. Por exemplo, com 25 anos descobri que visualizar era algo realmente possível, mesmo que eu praticasse visualização, meditação e auto hipnose desde os 19 anos seguindo rigorosamente as orientações não conseguia visualizar como hoje entendo o que é, e pensava que visualizar seria achar que visualiza algo sem ver nada, pois com 6 anos de pratica e ainda estava vendo tudo preto, sem ouvir ou sentir nada imaginava que era para você mentir para você mesmo que estava acontecendo que isso seria a visualização. Até conhecer um amigo que consegue induzir imagens, sons, gosto … mesmo de olhos abertos e questionei ele por muito tempo para entender o que é visualizar até perceber que 6 anos de pratica e eu ainda não visualizava de verdade, isso é realmente frustrante a principio.

    Ainda tento (11 anos praticando), ainda pratico pois acredito que deva ter uma solução, mesmo para afantasia, e isso não me faz deixar de ser ilustrador. Acontece que como eu não sabia que era possível eu não sentia falta, levava e ainda levo comigo que aprendi a desenhar justamente para colocar no papel o que não existe, tirar do invisível para o visível. Pode gerar algumas dificuldades? talvez, se eu considerar o hoje, pois antes não eram.

    Se a pessoa constrói a imagem na cabeça dela e reproduz no papel, eu listo em palavras para mim mesmo o que eu quero que tenha na arte e modelo no papel até fazer sentido, como se fosse a visualização a partir do objeto e não de mim. Claro que conseguir visualizar deve ser algo bem legal, e ainda desejo experimentar como é por isso continuo praticando, conseguindo ou não fico feliz por criar a partir do nada, no negro, do vazio, mas claro curioso para saber como será imaginar imagens, sons, tato, cheiro ou gosto como meu amigo me contou que consegue.

    1. Olá Talles.
      Muito interessante o seu comentário e a maneira como você consegue criar arte sem visualizar. Desenvolveu uma nova habilidade para superar sua dificuldade. Isso é incrível. Espero que você consiga evoluir em suas práticas e que consiga achar a solução. Tens a minha admiração.

  7. Filipe Martins

    Estou meio assustado com isso. Fiz um teste hoje eu e minha esposa com um vídeo no YouTube sobre vidas passadas, só para brincar e perguntei depois: “Quando vc fecha os olhos, consegues imaginar realmente o que eu descrevo?” Ela confirmou e eu comecei a descrever as coisas e eu fiquei assustado com ela dizendo que via mentalmente as coisas e em cores, pois eu, vejo só um preto. Nenhuma imagem, só a escuridão. E nunca sonho com nada. Fiquei intrigado e comecei a ler sobre a Afantasia.
    Há um médico especialista para diagnosticar isso? Entendo que não tem um pq, mas a dúvida pode se tornar um incômodo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat