Tique Nervoso e Cacoete tem cura?

Homem com tique nervoso

O tique nervoso é um movimento súbito, rápido, geralmente sem propósito e repetitivo. Os tiques nervosos podem envolver os músculos da voz causando também a emissão de sons ou palavras repetidamente (tiques vocais). São fonte de estresse, constrangimento e embaraço social e são mais comuns em meninos na faixa etária pediátrica.

Segundo pesquisas sobre tiques conduzidas no Brasil, cerca de 2% das crianças escolares podem ser acometidas por tiques. Especificamente nas crianças os tiques podem ser transitórios e melhorar espontaneamente. Os tiques podem persistir durante a vida adulta e ser um obstáculo profissional e social na vida adulta.

Neste artigo, Dr Diego de Castro Neurologista e Neurofisiologista pela USP, explica o que é o tique nervoso, suas causas e tratamento.

Entendendo os Tiques Nervosos – “Cacoetes

Os tiques nervosos compõem um grupo de movimentos repetitivos que popularmente são conhecidos com o nome de “cacoete“. O Tique (do inglês “tic”) é o nome conferido a movimentos rápidos e repetitivos que geralmente não têm nenhum propósito específico. O movimento decorre de contrações musculares que podem afetar:

  • Pálpebras (“piscar sem propósito”)
  • Rosto (“fazer careta”)
  • Pescoço (“torcer o pescoço”)
  • Ombros (“levantar os ombros”)
  • Mãos (“estalar os dedos”)
  • Pigarrear a garganta
  • “Fungar o Nariz”
  • Estalar a língua no céu da boca
  • Emitir sons e pequenas frases aleatoriamente e sem propósito

Tiques nervosos, na maioria das vezes, são fenômenos temporários. Podem ocorrer em crianças e adolescentes com melhora espontânea e piorar em situações de estresse e ansiedade.

No entanto, algumas crianças e adolescentes podem desenvolver um distúrbio do desenvolvimento em que os tiques são muito frequentes denominado Síndrome de Tourrete. Na Síndrome de Tourette, além dos tiques, os indivíduos podem apresentar transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e transtorno obsessivo-compulsivo. Cerca de 1 em cada 100 crianças podem apresentar a síndrome de Tourrete.

No geral, os tiques podem ser gerenciados com mudanças no estilo de vida e terapias comportamentais. Entretanto, em alguns casos, eles podem estar relacionados a outros distúrbios e necessitam de tratamento especializado. Continue lendo este artigo para compreender melhor esse assunto.

O que é um Tique Nervoso?

O tique é um movimento ou som rápido, súbito e repetitivo. A principal característica dos tiques é a frequente repetição.  Em geral o tique é executado seguindo um padrão de eventos:

1.     Antes da contração muscular os pacientes costumam relatar uma “sensação estranha”, de desconforto, incômodo, inquietude ou angústia.

2.     Ao realizar o movimento os pacientes se sentem “aliviados”.

3.     A repetição do movimento resulta do ciclo: Sensação de angústia seguida pela sensação de alívio ao executar o movimento.

4.     Toda vez que surge a sensação de desconforto surge o movimento, o tique, que é uma resposta parcialmente involuntária.

Tipos de Tiques

Existem dois tipos de tiques: os motores e os vocais.

  • Tiques motores: são movimentos repentinos de curta duração (exemplos: caretas, piscamentos, encolhimento do ombro).
  • Tiques vocais: são sons emitidos repentinamente, durante um comportamento que seria considerado normal (por exemplo: a emissão de sons como tosse, estalos, pigarrear e até mesmo palavras inteiras ou palavrões).

Os tiques também podem ser classificados como simples ou complexos.

  • Tiques motores simples são movimentos como contrair o nariz, piscar os olhos, sacudir a cabeça ou os ombros.
  • Tiques motores complexos são aqueles em que ocorre uma série de movimentos na mesma ordem. Por exemplo: estender a mão e tocar em algo repetidamente. A Síndrome de Tourrete é caracterizada pela presença de tique vocais associados a tiques motores geralmente complexos.

Por que ocorre um tique nervoso – Causas

Ainda não é perfeitamente conhecida uma causa exata para o surgimento de um tique nervoso. No entanto, é certo que não possui origem apenas em fatores psicológicos e também não são “para chamar atenção”. A explicação atual da causa do tique é de que exista uma associação entre fatores genéticos e psíquicos.

Estudos genéticos e com uma técnica especial de Ressonância Magnética (Ressonância Funcional) demonstram que os tiques complexos estão associados a disfunção de estruturas cerebrais associadas a dopamina e aos mecanismos cerebrais de recompensa (envolvendo estruturas cerebrais como o pálido ventral e o núcleo accumbens).

Os tiques são muito mais comuns antes dos 18 anos de idade e atingem mais meninos do que meninas. Na maioria das vezes, os tiques costumam surgir associados a:

  • Sintomas de ansiedade
  • Depressão
  • Problemas de atenção/concentração
  • Hiperatividade.

Nesses casos, é fundamental o seguimento médico e de uma equipe multidisciplinar para o tratamento destas doenças associadas aos tiques nervosos.

Como parar ou evitar um Tique Nervoso?

Muitas pessoas se esforçam para parar ou evitar um tique. No entanto, os tiques nervosos não estão sob o total controle do paciente. Então tenha paciência e tolerância consigo mesmo.

As vezes os indivíduos podem até conseguir reprimir os tiques por algum tempo. Mas esta supressão pode resultar em desconforto contínuo. Esta vontade irresistível de realizar o tique torna-se um desejo obsessivo e angustiante, que só é aliviado com sua realização.

É importante afirmar que ninguém apresenta tique nervoso por birra ou para chamar atenção. Este é um distúrbio complexo, que pode ser transitório, mas pode ser contínuo.

Para parar um tique é importante saber sobre os fatores que causam sua piora, entre eles:

1.     Estresse

2.     Ansiedade

3.     Falar em público

4.     Quando o paciente se sente observado

5.     Má qualidade de sono

A piora é tanto em frequência quanto em intensidade, então esteja sempre atento a esses fatores quando os tiques piorarem.

Orientações para diminuir os “Cacoetes

Aqui estão algumas estratégias utilizadas pelo NHS United Kingdom Health que você pode fazer para minimizar os tiques, principalmente das crianças:

  • Evite estresse, ansiedade e tédio – por exemplo, tente encontrar uma atividade relaxante e agradável de fazer (como esporte ou hobby).
  • Evite ficar muito cansado.
  • Tente ter uma boa noite de sono sempre que possível.
  • Tente ignorar o tique do seu filho e não fale muito sobre ele – chamar a atenção para o tique pode piorar a situação.
  • Não repreenda a criança quando o tique aparecer.
  • Tranquilize seu filho que está tudo bem e que não há motivo para ele se sentir envergonhado.
  • Informe as outras pessoas com quem você está em contato regular sobre os tiques  (para que saibam reagir da melhor maneira quando o tique acontecer).
  • Se o seu filho está achando difícil a escola, converse com o professor sobre maneiras de lidar com isso. Por exemplo, pode ajudar se eles puderem sair da sala de aula se seus tiques forem particularmente ruins.
  • Da mesma forma, se você tiver um tique que dificulta as coisas  no trabalho, fale com seu empregador para descobrir se há ajuda e suporte disponíveis.

Tratamento dos Tiques Nervosos

O tratamento para os tiques nervosos depende da gravidade da condição. Os tiques impactam a qualidade de vida dos indivíduos, principalmente em crianças. Os tiques são uma causa frequente de “bullying” e de outros problemas de adaptação escolar ou de relacionamento.

Nos adultos também podem ser um estigma dificultando a interação social. Pais e amigos desses pacientes devem evitar chamar a atenção ou expor publicamente o paciente com tique. Isso pode gerar mais desconforto e aumentar a frequência dos eventos.

tratamento dos tiques nervosos pode ser determinado de acordo com a gravidade:

  • Casos leves e transitórios requerem apenas observação.
  • Casos persistentes pode ser realizada terapia cognitivo-comportamental e a hipnoterapia. Alguns tipos de medicação ou uma combinação de ambas as abordagens terapêuticas também são muito importantes.
  • Casos graves além de terapia e medicamentos podem realizar aplicação de toxina botulínica ou cirurgia de estimulação cerebral profunda.

A terapia comportamental ajuda no sentido de ensinar o paciente a administrar seus sintomas e reduzir a frequência dos tiques. Os medicamentos podem ser indicados para reduzir o número de tiques e ajudar em outros fatores como estresse ou hiperatividade e, assim, melhorar a vida diária da pessoa.

Hipnoterapia: A hipnoterapia é uma ferramenta excelente para trabalhar o estresse e a ansiedade que costumam ser gatilhos para os tiques. A terapia com hipnose trabalha com o paciente em transe, conseguindo assim trabalhar de maneira breve onde outros tipos de terapias convencionais não conseguem atuar. Para saber mais sobre Hipnoterapia e ler depoimentos de que já fez, clique aqui.

Com estes tratamentos, é possível um melhor controle, em que as pessoas conseguem ter boa qualidade de vida. Contudo, não se pode afirmar que o problema vai desaparecer completamente.

Tratamento para Tiques Nervosos graves e incapacitantes

1.     Os casos mais graves devem ser preferencialmente avaliados por um neurologista especialista em distúrbios do movimento

2.     Alguns casos podem tão graves e incapacitantes a ponto de necessitar de toxina botulínica ou cirurgia.

3.     A cirurgia de Estimulação Cerebral Profunda (do inglês Deep Brain Stimulation – DBS) é um tratamento que não promove a cura, mas pode reduzir em 50-80% a frequência e gravidade dos tiques, melhorando a qualidade de vida. A cirurgia deve sempre ser associada a acompanhamento psicológico e suporte familiar.

Veja abaixo, algumas associações internacionais que visam dar apoio as crianças e familiares com tiques complexos e Síndrome de Tourette:

Conhece alguém com tique ou Síndrome de Tourette? Compartilhe essa informação com amigos e familiares!

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Clique aqui para assistir a um vídeo onde o prof. Sergio Enrique tira dúvidas sobre Hipnose e Hipnoterapia.

Fonte: Dr Diego de Castro Neurologista https://drdiegodecastro.com/tique-nervoso/

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat