Terapia psicodélica existe? O que é verdade na série ‘Nine Perfect Strangers’?

Terapia com cogumelos

Que tal passar dez dias em um luxuoso spa na Califórnia, em meio à natureza e com uma dieta matinal à base de smoothies turbinados com psicodélicos? Para muitos, essa proposta pode parecer perfeita. Mas e se você ficasse sabendo que as bebidas têm ingredientes alucinógenos somente após sentir os efeitos? Será que ainda acharia legal?

Essa é a premissa da série “Nove Desconhecidos” (“Nine Perfect Strangers”), que retrata um fictício spa de luxo que funciona como retiro psicodélico.

Na vida real, resorts com diárias milionárias e experiências psicodélicas no cardápio não são exatamente novidade. Há décadas que retiros com ayahuasca (bebida alucinógena preparada com o caule do caapi e folhas de chacrona) na selva peruana recebem turistas do mundo todo. O que parece estar acontecendo atualmente, no entanto, é uma diversificação na oferta de substâncias, algo embalado pelo entusiasmo científico em torno das pesquisas com o uso de drogas como MDMA (conhecida também como ecstasy) e psilocibina (retirada de alguns tipos de cogumelos) para a saúde mental.

“Existe um boom hoje no circuito psicodélico”, afirma a antropóloga brasileira Bia Labate, diretora do Instituto Chacruna de Plantas Psicodélicas Medicinais, na Califórnia. “Cada vez aparecem mais empresas, clínicas, retiros, spas, workshops e todo o tipo de produtos”, diz a pesquisadora.

Os destinos mais conhecidos estão na Holanda, Canadá, Jamaica, Costa Rica, México e no Peru. No Brasil, é possível encontrar algo semelhante com a bebida ayahuasca, mas com enfoque xamânico e místico, amparado pela regulamentação que permite o uso religioso.

O especialista em Neurociência, Hipnoterapeuta e diretor do Estúdio da Mente, prof. Sergio Enrique Faria, esteve em um desses rituais com ayahuasca. “Por trabalhar com pessoas em estados modificados de consciência em meu consultório, eu senti vontade de conhecer mais sobre os efeitos da ayahuasca. Participei do ritual com ayahuasca em uma mata com um índio coordenando o processo que durou uma note toda. Meus sentidos se ampliaram, eu tive alucinações e sensações intensas as quais me levaram a vomitar bastante. Assim que o efeito psicodélico do DMT foi passando, fui tomado por uma sensação maravilhosa de relaxamento, paz e unidade, semelhante à experimentada nos transes de hipnose. Neste momento tive muitas reflexões e insights interessantes”, relatou Sergio.

Na Califórnia, no entanto, não há spas como o da série, afirma a psicóloga clínica Clancy Cavnar, integrante do conselho administrativo do Instituto Chacruna. “Mas pode ser algo que veremos no futuro”, aposta. Segundo ela, o mais comum hoje são retiros que realizam cerimônias xamânicas, como o Soul Quest Ayahuasca Church em Orlando, na Flórida.

E quem estiver pensando em embarcar numa viagem semelhante à da série precisa tomar cuidado, já que não existem terapias aprovadas com essas substâncias (com exceção da cetamina). Por enquanto, o uso médico é autorizado apenas em protocolos de pesquisas e, mesmo assim, de forma controlada.

Ficou curioso sobre o que é real e o que é ficção em “Nove Desconhecidos”? Falamos com especialistas para separar uma coisa da outra. Mas atenção, aviso de spoiler: se ainda não assistiu à série, nós contaremos coisas que acontecem nela.

Realidade ou ficção?

A série “Nove Desconhecidos” é uma adaptação do livro homônimo (ed. Intrínseca), da australiana Liane Moriarty. Na história, a guru Masha, interpretada por Nicole Kidman, recebe nove hóspedes no Tranquillum House (nome do resort/retiro fictício), que buscam a cura para traumas e angústias pessoais. Eles passam a receber, sem que saibam, microdoses de psilocibina no café da manhã. A dosagem gradualmente vai sendo elevada até que os convidados experimentem viagens psicodélicas completas.

Para começo de conversa, esse modus operandi passa longe de retratar o modelo ideal para esse tipo de experiência. Fazer isso, ainda que em doses mínimas, é uma falha perigosa, que contraria qualquer preceito ético, seja de pesquisa, seja terapêutico, observa o pesquisador da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e biomédico Renato Filev. “A falta de consentimento livre e esclarecido para ingestão [de psicodélicos] pode agravar desfechos desfavoráveis e agravar os riscos e danos associados à experiência.”

Seja para evitar problemas, seja para potencializar o uso, uma recomendação básica de especialistas é ficar atento ao set (como você está internamente) e setting (o contexto onde será realizada a experiência). Ainda assim, a imprevisibilidade dos psicodélicos pode trazer surpresas, avisa Filev. “Uma mesma pessoa em um mesmo contexto pode vivenciar desfechos distintos com uma mesma dose da mesma molécula”, afirma.

É possível revisitar traumas

Mas nem tudo está errado no retiro Tranquillum House. Por exemplo, um dos personagens, Tony (Bobby Cannavale), é um ex-atleta profissional que, sob efeito dos psicodélicos, tem visões do momento em que uma lesão encerrou sua carreira. Esse, de fato, é um dos efeitos possíveis dos psicodélicos: revisitar traumas ou vivências afetivas e enxergá-las sob uma nova perspectiva.

De acordo com Sandro Rodrigues, psicólogo da APB (Associação Psicodélica do Brasil), até mesmo no processo terapêutico envolvendo a microdose é possível que ocorra esse fenômeno. “Enxergar os próprios processos internos de outro ângulo é algo bem presente nos relatos de praticantes de microdosagem”, afirma.

Outro ponto importante é a escolha da substância utilizada nos hóspedes do Tranquillum House. Todos tomam psilocibina, exceto duas pessoas: Jessica (Samara Weaving) e Ben (Melvin Gregg). O casal, que busca salvar o relacionamento, é tratado com MDMA (também conhecido como ecstasy). Um acerto da série, na opinião de Álvaro Jardim, psicólogo clínico, de Goiânia, que participou do primeiro estudo no Brasil de psicoterapia assistida por MDMA para tratamento de TEPT (Transtorno de Estresse Pós-Traumático).

“Por atuar na liberação de ocitocina, um hormônio que facilita a comunicação, faz sentido o uso para casais que buscam recuperar o relacionamento”, afirma. “A substância faz com que as pessoas sintam empatia e consigam falar sobre conflitos que estejam inibindo a intimidade”, acredita.

O destaque que o MDMA e a psilocibina recebem na série também faz sentido. As pesquisas estão na fase três (em que a eficácia e segurança da substância é testada em humanos) nos Estados Unidos, etapa anterior à aprovação do FDA (Food and Drug Administration), agência reguladora de medicamentos e alimentos de lá —similar à nossa       Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Ou seja, no futuro, as duas substâncias poderão ser aprovadas para uso em terapia assistida.

Microdose e visões coletivas

Quando Masha revela aos hóspedes sobre a microdose, ela afirma que o protocolo ajuda a tratar transtornos mentais, esquizofrenia, demência, além de melhorar o sono e a vida sexual. Mas isso não é bem assim, alerta Dartiu Xavier, psiquiatra da Unifesp. “Não existem estudos confiáveis comprovando a eficácia de microdose para essas doenças”, explica.

Por outro lado, já há spas oferecendo microdose de psicodélicos —mas que não têm o mesmo efeito visto na série. “É uma dose imperceptível, não é para sentir os efeitos psicodélicos”, afirma Luna Vargas, educadora canábica que vive em Vancouver, no Canadá, e que utiliza a microdosagem. Ela diz que não é preciso ir para um spa para receber a microdose e acredita que o público que frequenta esses locais espera “transformações profundas”.

Algumas dessas “transformações profundas” têm relação com a busca por uma espécie de “êxtase coletivo” —o que de fato pode acontecer durante o uso da ayahuasca, por exemplo. De acordo com o psiquiatra Wilson Gonzaga, de Manaus, que já dirigiu rituais com a bebida, essa visão coletiva tem relação com a força invocada pelos hinos utilizados na cerimônia. “A música pode induzir a uma visão comum”, diz o especialista. “É uma influência coletiva relacionada ao som e, como todos estão ouvindo a mesma coisa, a mente produz imagens semelhantes”, afirma.

Exagero?

Independentemente dos erros ou acertos da série sobre terapias com psicodélicos, vale lembrar que ela é uma obra de ficção e, portanto, sem a obrigação de abordar o uso dessas substâncias de forma correta. Mas os especialistas consultados acreditam que, no fim, a história acaba exagerando na dose para comercializar a produção e perde a oportunidade de apresentar informações importantes sobre o uso dessas substâncias ao público —especialmente para quem ainda enxerga os psicodélicos como drogas de uso puramente recreacional.

“Apesar das declarações dos produtores de que pesquisaram a terapia psicodélica, a história é irreal”, diz Clancy Cavnar. “Foi uma oportunidade perdida para falar do assunto”, finaliza.

Para ler um artigo legal sobre Hipnose e Hipnoterapia agora Clique aqui.

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Fonte: https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2021/10/15/terapia-psicodelica-existe-o-que-e-verdade-na-serie-nove-desconhecidos.htm

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat