Por que mesmo as pessoas honestas mentem?

Imagem Dr. House e Cal Lightman

Mais do que uma falha de caráter, mentir é uma questão de sobrevivência. E mais: se serve de consolo, o humano não é o único a viver de enganos. Outros seres vivos, como plantas e animais, também aprontam para conseguir o que querem. Até os vírus têm hábeis estratégias para trapacear os sistemas imunológicos de seus hospedeiros.

A ciência mostra que nossos ancestrais da Idade da Pedra já mentiam. Se não conseguiam alcançar seus objetivos por meio da força bruta, tinham que recorrer a outras técnicas, mais sutis, de manipulação e trapaça. Podia ser para manter o respeito do grupo ao voltar da caça de mãos vazias, para fugir de um predador, para conseguir alguém para acasalar ou para exercer a liderança sobre um grupo. Ou seja, somos hoje considerados mentirosos por natureza por causa das muitas vantagens adaptativas que a arte da dissimulação proporcionou aos nossos antepassados – e que continua a proporcionar a nós.

“Sem a mentira, a vida em sociedade entraria em colapso. Se você duvida disso, basta imaginar o que seria a vida se você resolvesse dizer a todos os seus amigos o que realmente pensa de cada um deles”, provoca o filósofo e psicólogo evolutivo David Livingstone Smith, diretor do Instituto de Ciência Cognitiva e Psicologia Evolutiva da Universidade da Nova Inglaterra, EUA. “Além disso, em muitos aspectos, mentir é um passaporte para o sucesso nos negócios, na política e na vida social. Indivíduos que não sabem mentir são párias sociais.”
 

A mentira tem razões que a verdade não conhece e talvez a pergunta “por que mentimos?” nunca possa ser respondida, senão com meias verdades. Alguns mentem por conveniência, diplomacia, para dar uma primeira boa impressão ou para evitar explicações desnecessárias e chatas, além de pelo óbvio motivo de ocultar do outro algo que não queremos que saiba.

De maneira inconsciente podemos afirmar coisas que sabemos falsas ou fazer histórias na mente do outro só para provar nossa destreza; mas os pesquisadores do comportamento afirmam que nossas mínimas mentiras requerem um grau de reflexão que inclusive é mostra de saúde cognitiva em crianças pequenas, apesar de que, como diz a sabedoria popular, a prática leve a perfeição. Qunato mais mentimos, mas aprendemos a falsar.

Um estudo dirigido por Robert Feldman da faculdade de psicologia da Universidade de Massachusetts conseguiu captar com que facilidade nossas conversas mais casuais estão infestadas de verdades incompletas. Pediram a dois completos estranhos que sustentassem uma conversa informal durante 10 minutos, depois do qual os mesmo deviam escutar a gravação do diálogo.

Antes de vê-la, os voluntários disseram aos pesquisadores que tinham sido completamente honestos na conversa, mas ficaram assombrados ao ver quanto podiam mentir em apenas 10 minutos: 60% dos voluntários mentiu em ao menos uma ocasião, uma média de 2,92 declarações intencionalmente falsas. Algumas das razões mais comuns (e inclusive razoáveis) para mentir podem ser:

  1. Para ganhar respeito em um novo grupo.
  2. Para ser tratado de maneira diferente.
  3. Para afetar a percepção sobre nós de alguém cuja atenção desejamos ou queremos depertar.
  4. Porque não conhecemos uma resposta e sentimos vergonha em reconhecer.
  5. Para poupar/ganhar tempo.
  6. Para poupar/ganhar dinheiro.
  7. Para não melindrar os sentimentos de outros.
  8. Para sentir-nos melhor sobre nós mesmos.
  9. Porque uma situação diplomática benemérita.
  10. Para dar uma boa impressão em um encontro romântico.
  11. Para melhorar um currículo de trabalho.
  12. Porque algumas pessoas não sabem reconhecer certos tipos de verdades (como as científicas ou os paradoxos matemáticos)
  13. Porque a verdade também se transforma.
  14. Porque nossos neurônios tornam-se mais especializados na mentira com a prática e a repetição.
  15. Porque queremos sair rapidamente de um problema.
  16. Porque dedicamos-nos à política
  17. Porque sabemos que não seremos descobertos.
  18. Porque cremos sinceramente estar dizendo a verdade ainda que o que dizemos é falso, sem nosso conhecimento.

Também mentimos, curiosamente, porque temos um desenvolvimento cognitivo sudável: as crianças começam a mentir entre os dois e três anos, inclusive alentados por seus pais que desenvolvem comportamentos corteses nos pequenos (como agradecer um presente não desejado no Natal) como parte da adaptação ao meio social. As crianças (e os adultos) podem mentir também para evitar que sejam castigadas por suas ações, ainda que também para impressionar a outros sobre ações que não realizaram. Outros estudos demonstraram que as crianças de 4 anos mentem ao menos uma vez a cada duas horas, e os de 6 anos mentem aproximadamente a cada 90 minutos.

Detectando mentiras

Já vimos que mentir é natural no ser humano. Mas isso não impede que você identifique as mentiras e pegue os mentirosos no pulo.

A famosa série “Lie to Me” retrata um especialista em detectar mentiras: Veja um trecho no vídeo abaixo:

Já existem cursos que ensinam estas técnicas de leitura de microexpressões faciais, interpretação de linguagem corporal e detecção de mentiras exatamente como visto no vídeo da série Lie to Me..

Para saber mais sobre estes cursos você pode clicar aqui.

Que tal conhecer um pouco sobre Hipnose e Hipnoterapia agora? É só clicar aqui!

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Clique aqui para assistir a um vídeo onde o prof. Sergio Enrique tira dúvidas sobre Hipnose e Hipnoterapia.

Fontes:

http://super.abril.com.br/comportamento/por-que-mentimos-darwin-explica/

http://www.ndig.com.br/item/2013/06/por-que-mentimos-algumas-hipteses-e-ideias-para-entender-as-meias-verdades

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat