Como lidar com uma música que não sai da sua cabeça?

fone grudado no ouvido

Se você está entre os 92% da população que experimentam a dificuldade de esquecer trechos de músicas que surgem sem convite e “grudam” na em nossa cabeça – talvez queira saber como dissipá-los. No livro Alucinações musicais, Relatos sobre a música e o cérebro (Companhia das Letras, 2007), o neurologista americano Oliver Sacks, morto em 2015, apresentou várias situações clínicas em que pacientes se queixavam de uma espécie de perseguição pela música. O fenômeno – que recebeu o curioso nome de earworms (vermes de ouvido) – é considerado uma forma benigna de ruminação: pensamentos repetitivos e intrusivos associados com ansiedade e depressão. Um fato que chama a atenção é que, em geral, a música que se repete em nossa mente nem é nossa preferida.

Quando termina de ler este artigo, volte e clique aqui para saber como a ciência explica o sucesso das músicas-chiclete.

De fato, há muito tempo psicólogos procuram maneiras de eliminar esse incômodo. Agora, um estudo da Universidade de Reading, na Inglaterra, aponta uma estratégia simples e eficiente: mascar chiclete. O psicólogo Philip Beaman e seus colegas descobriram que quando universitários eram expostos a um trecho de uma canção cativante, e em seguida mastigavam algo, relataram sentir menos earworms em relação aos colegas que não exercitavam as mandíbulas ou se distraíam de alguma forma. O ato de mascar chiclete, ler em silêncio, falar ou cantar sozinho envolve os chamados articuladores subvocais: a língua, os dentes e outras partes anatômicas usadas para produzir a fala. A descoberta surpreendente é que as subvocalizações diminuem a capacidade do cérebro de formar memórias verbais ou musicais.

Para algumas pessoas, mastigar algo pode ser o suficiente para tirar da cabeça as repetições contínuas. No entanto, a técnica provavelmente não vai ajudar muito a eliminar melodias profundamente arraigadas. Especialistas dizem que casos tão persistentes são raros, mas não inéditos – e nessa situação chicletes realmente não ajudam.

Outras estratégias incluem o que a psicóloga britânica especializada em musicoterapia Victoria Williamson, pesquisadora da Universidade de Sheffield, descreve como “distrair-se e envolver-se”. Segundo ela, as táticas mais eficazes para esquecer a melodia intrusiva são verbais ou musicais: vale entoar um mantra, recitar um poema, ouvir uma música diferente ou até mesmo tocar um instrumento. Essas ações ativam o componente da memória de trabalho envolvido nesse tipo de pensamento obsessivo, um ciclo de armazenamento e repetição chamado alça fonológica. “Se você a preencher com outras coisas que ocupam o mesmo circuito, não vai sobrar muito espaço para ideias intrusivas”, diz a especialista.

Concentrar-se em uma tarefa mental específica – por exemplo, pensar sobre a programação da semana – também pode ajudar a dissipar uma canção insistente. No entanto, se for algo muito fácil ou difícil demais, a mente tende a se entregar aos earworms. É preciso controlar de maneira adequada a carga cognitiva – o que o professor de psicologia Ira Hyman, da Universidade Western Washington, chama de efeito goldilocks (algo como fechamentos de ouro). Pesquisadores da Universidade de Cambridge criaram o que acreditavam ser o exercício perfeito: mentalizar números aleatórios, aproximadamente um por segundo, sem repetir nenhum.

Outra abordagem comum é envolver-se com os pensamentos intrusivos – e isso serve também para ideias persistentes e repetitivas. No caso específico da música, em vez de tentar não pensar a respeito, a pessoa pode deliberadamente ouvi-la inteira, do começo ao fim, várias vezes seguidas. Os earworms costumam ser fragmentos, o que muito provavelmente contribui com a sua persistência; memórias vagas duram mais tempo do que as completas, um fenômeno conhecido como efeito Zeigarnik. Segundo Victoria Williamson, completar todas as partes pode ajudar a tirar a música da memória consciente. Há casos raros, porém, em que nem a distração nem o envolvimento funcionaram. Segundo alguns especialistas, a longo prazo, uma boa estratégia pode ser simplesmente aprender a desfrutar dos concertos na própria cabeça. (Por Harriet Brown, jornalista científica.)

Que tal conhecer um pouco sobre Hipnose e Hipnoterapia agora? É só clicar aqui!

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Clique aqui para assistir a um vídeo onde o prof. Sergio Enrique tira dúvidas sobre Hipnose e Hipnoterapia.

Fonte: http://www.esmi.com.br/como-lidar-com-a-musica-que-nao-sai-da-sua-cabeca/

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

2 comentários em “Como lidar com uma música que não sai da sua cabeça?”

  1. Pingback: Como se livrar de pensamentos que grudam na cabeça? – Estúdio da Mente

  2. Pingback: “Despacito” não sai da sua cabeça? Neurociência explica o sucesso das músicas-chiclete – Estúdio da Mente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat