7 curiosidades e 7 mitos sobre o corpo humano que você provavelmente não sabia

Corpo humnao

Já apresentamos os 10 mistérios do cérebro que ainda intrigam a ciência e as 10 coisas surpreendentes sobre o crânio, mas as outras partes do nosso corpo também possuem suas particularidades. Foi com isso em mente que separamos sete curiosidades sobre o corpo humano que você provavelmente ainda não sabia!

Bebês têm mais ossos que adultos

Se alguém perguntar quem tem mais ossos: um bebê ou um adulto, é muito provável que a resposta na ponta da língua seja a segunda opção. No entanto, não é bem assim. Enquanto uma pessoa adulta costuma ter 206 ossos, o bebê costuma ter cerca de 300 ossos. Acontece que, na fase inicial da vida, há vários ossos unidos por cartilagem, que se transformam em um único osso com a chegada da fase adulta. É o caso do crânio, por exemplo, que no recém-nascido possui fontanelas — cartilagens entre alguns dos ossos da cabeça que ainda não se fundiram —, por isso ainda é tão frágil.

O arrepio é criado por músculos minúsculos

Você provavelmente já sentiu o braço arrepiado involuntariamente, ao se sentir emocionado, excitado ou com medo. Isso acontece porque, diante dessas emoções, há uma liberação sanguínea de catecolaminas (adrenalina e noradrenalina, que são neurotransmissores, parte da química produzida pelo nosso cérebro), estimulando os piloeretores, pequenos músculos que se contraem e causam a ereção dos pelos. Quando a temperatura diminui bruscamente, o arrepio acontece como uma forma fisiológica do organismo se proteger do frio.

O apêndice tem uma função importante

Ao contrário do que muitos pensam, o apêndice (uma pequena bolsa, em forma de tubo e com cerca de 10 cm, que está ligada à primeira parte do intestino grosso) tem uma função. Estudos já mencionaram que ele fabrica e armazena bactérias que auxiliam na digestão. Além disso, ele também possui células linfoides, que produzem anticorpos e ajudam nas defesas do organismo.

O ser humano só respira por uma narina de cada vez

Ao contrário do que parece, a respiração não é feita pelas duas narinas ao mesmo tempo. É por isso que, quando estamos com rinite ou gripe, apenas uma narina fica entupida por vez: é a que está descansando naquele momento. Se você parar para prestar atenção na sua respiração nesse momento, pode notar que há um lado puxando primeiro que o outro. Se você sentir isso em ambos os lados, você apenas captou o ciclo durante a transição.

Bebês quase não piscam

Outra curiosidade sobre o ser humano em sua primeira fase é que o intervalo entre uma piscada e outra é muito maior. Enquanto os adultos piscam de 10 a 15 vezes por minuto, os bebês não costumam piscar apenas uma vez a cada minuto! No máximo, três vezes durante esse período. Isso acontece, talvez, porque os bebês dormem muito mais que os adultos e, assim, seus olhos exigem menos lubrificação.

As pessoas produzem 0,7 litro de saliva por dia

A produção de saliva varia consideravelmente de pessoa para pessoa, mas em média a maioria dos seres humanos consegue produzir 0,7 litro de saliva por dia, o que é suficiente para encher duas banheiras por ano! Vale ressaltar que a saliva ajuda a matar bactérias e combater infecções, porque conta com uma proteína chamada histatina, que é conhecida como um agente antibacteriano.

O corpo humano brilha no escuro

Você já ouviu falar de bioluminescência? Trata-se da produção de luz por organismos vivos. Pode parecer loucura, mas o ser humano também brilha, em um processo semelhante chamado emissão de biofótons. As reações químicas em nossas células emitem pequenas quantidades de luz que já foram detectadas por cientistas em estudos anteriores, por meio de câmeras ultrassensíveis. Esse brilho emitido pelo corpo humano não pode ser visto a olho nu, porque é mil vezes mais fraco do que podemos detectar.

 

Ainda temos muito a aprender quando se trata de entender como nosso corpo funciona, mas e se lhe disséssemos que alguns dos chamados fatos populares que juramos sobre o corpo humano simplesmente não são verdadeiros? Veja alguns mitos abaixo:

  1. Usamos apenas 10% de nossos cérebros

Como a vasta coleção de células dentro de seu crânio de alguma forma se unem para alcançar consciência, emoção, pensamento racional e autoconsciência pode parecer mágica. É provavelmente por isso que o fato de que usamos apenas 10% de nossos cérebros tem tanta força. É um fato bobo, no entanto.

Parece claro a partir de exames que todas as regiões do cérebro estão em uso em algum momento durante o dia. Atualmente, é impossível monitorar todas as células cerebrais (afinal, existem bilhões delas), então não podemos saber exatamente quantas estão ativas a qualquer momento.

Da mesma forma, também não há como mostrar que exatamente apenas 10% estão ativos. Dado que o mito remonta pelo menos ao início do século 20 – uma época sem qualquer forma de varredura cerebral adequada – o número é claramente retirado do ar, sem qualquer base em medições.

  1. Um coração flatlining pode ser reiniciado com um desfibrilador

Isso contradiz quase todos os dramas médicos que você já viu, mas um coração com flatlining não pode ser reiniciado com uma carga elétrica de um desfibrilador. Quando alguém fica flatline, isso significa que não há atividade elétrica no coração.

Aplicar um choque elétrico não pode ajudar. É como tentar dar partida em um carro que não tem combustível. Os choques elétricos só funcionam se o coração tiver alguma atividade elétrica – um “ritmo chocável”. O cenário mais comum é quando o coração pára seu familiar “lub-dub” e entra em um tremor perigoso. Chocar um coração com um desfibrilador pode redefinir isso.

  1. O apêndice não tem função conhecida

O pobre apêndice tem a reputação de ser um tubo intestinal inútil que não leva a lugar nenhum. Ou assim as pessoas pensavam. O apêndice, parece agora, é um reservatório para bactérias úteis.

Os micróbios que nos ajudam a combater doenças são armazenados lá, prontos para serem implantados se uma doença acabar com seus irmãos no intestino mais amplo – um papel demonstrado pela primeira vez em 2011.

Durante nossos primeiros anos, o apêndice também ajuda a formar glóbulos brancos e certos tipos de anticorpos para combater infecções.

O apêndice também pode ser usado como peça de reposição; cirurgiões adaptaram suas dobras para fazer dutos de urina de reposição.

  1. Cenouras melhoram sua visão noturna

 “Coma suas cenouras. Eles vão ajudá-lo a ver no escuro.” É uma afirmação que muitos pais terão implantado para fazer seus filhos comerem vegetais.

As cenouras contêm muita vitamina A, o que ajuda a manter uma visão noturna saudável.  No entanto, eles não melhorarão sua visão além do limite natural.

A conexão supostamente se originou durante a Segunda Guerra Mundial. Pilotos britânicos foram inesperadamente bem-sucedidos em interceptar aviões alemães. A RAF disse que seus pilotos simplesmente tinham melhor visão noturna, graças às cenouras. A verdadeira razão era uma tecnologia de radar secreta. Esta história é, em si, um mito urbano.

  1. Homens com pés grandes têm partes íntimas maiores

A ideia de que um homem com pés grandes também possuirá uma masculinidade substancial é uma história comum. Mas os urologistas dos hospitais de Londres realmente fizeram a ciência e descobriram que a teoria não se sustenta.

Em um estudo publicado em 2002 na revista BJU International, eles mediram o comprimento do pênis esticado de 104 homens e compararam com o tamanho do sapato. Eles não encontraram nenhuma correlação. O que eles descobriram foi que o comprimento médio do pênis esticado é de 13 cm, enquanto o tamanho médio do sapato masculino no Reino Unido é de 9.

  1. O açúcar torna as crianças hiperativas

Ao contrário da sabedoria comum, não há ligação entre a quantidade de açúcar que uma criança come e seu nível de excitação. Embora existam muitas boas razões para não sobrecarregar as crianças com açúcar, evitar a hiperatividade não é uma delas. Pelo menos uma dúzia de testes cuidadosos examinaram isso. Em nenhum estudo as crianças em dietas sem açúcar se comportaram de maneira diferente de seus colegas adoçados.

No entanto, em 1994, um estudo da Universidade de Kentucky descobriu que os pais que pensavam que seus filhos haviam consumido bebidas açucaradas (mesmo quando não consumiam) tendiam a classificá-los como mais hiperativos. É uma profecia auto-realizável.

 

  1. Você vai pegar um resfriado se sair na chuva

Chame isso de síndrome de Jane Austen ou gripe dickensiana – o amante trágico pego em uma chuva é um clichê familiar do romance clássico. Encharcados até a pele, eles ficarão de cama pelos próximos 12 capítulos ou morrerão de frio.

Pode ser uma maneira melodramática de avançar a trama, mas a ideia de uma longa doença causada por uma encharcamento é exagerada. Resfriados e gripes são infecções virais. Você precisa ser exposto a alguém ou algo com o vírus antes de pegá-lo.  Pingos de chuva não carregam o vírus. Nem ventos frios.

Você não pode pegar gripe estando molhado ou com frio, ou saindo com o cabelo molhado, ou correndo por uma tempestade após um encontro estranho, embora a temperatura fria possa acelerar o aparecimento da doença se você já abrigar o vírus.

Que tal conhecer um pouco sobre Hipnoterapia, PNL e Neurociência agora? É só clicar aqui! ou no link: https://estudiodamente.com.br/

Gosta de neurociências? Siga o prof. Sergio Enrique no Facebook clicando aqui.

Visite o canal do Estúdio da Mente no YouTube.

Fontes: https://canaltech.com.br/saude/7-curiosidades-sobre-o-corpo-humano-que-voce-provavelmente-nao-sabia/

Fonte: https://www.irishnews.com/magazine/science/2018/09/04/news/7-myths-about-the-human-body-that-are-often-mistaken-as-facts-1424633/

Gostou do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on email

Sobre o Autor

Sergio Enrique mostrando cérebro na hipnose

Prof. Sergio Enrique Faria

Sergio Enrique Faria é diretor do Estúdio da Mente. Psicanalista, Parapsicólogo, Hipnoterapeuta, Coach, Trainer e Master Practitioner Internacional em PNL – Programação Neurolinguística.
Doutorando em Ciências da Educação, Mestre em Comunicação, Pós-graduado em Neurociência Clínica e Educacional. Pós-graduado em Neuropsicologia, Pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Pós-graduado em Psicanálise Clínica, Pós-graduado em Didática e Metodologia do Ensino Superior, Pós-graduado em Comércio Exterior e Bacharel em Administração de Empresas, Líder de Aprendizagem certificado pela Harvard University (EUA).
Palestrante, treinador e Professor universitário em cursos de pós-graduação e MBA. Autor e coautor dos livros: “Vendas e Negociação com PNL – como entrar nas mentes de seus clientes”. “Manual completo de PNL – Estratégias de grandes especialistas da Programação Neurolinguística para alcançar a excelência” e “Educação 2008 – As mais importantes tendências na visão dos mais importantes educadores”. 

Siga-me!

Posts Relacionados

Deixe seu comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Posts Recentes

error: Este conteúdo está protegido por direitos autorais | A cópia ou reprodução deste texto ou parte dele sem a autorização do autor configura CRIME DE VIOLAÇÃO dos Direitos Autorais no Art. 184 - A pesquisa antiplágio é realizada pelo Google
Open chat